Loading...
Coronavírus: perguntas frequentes2020-03-31T18:14:45-03:00

O SAS Brasil tira as suas dúvidas sobre a covid-19

Se você tem alguma dúvida sobre o novo coronavírus e a atual pandemia, que está forçando parcelas enormes da população em todo o mundo a ficarem em casa para prevenir o contágio em níveis alarmantes, você pode encontrar aqui todas as respostas. As informações são de fontes confiáveis, como o Ministério da Saúde, secretarias de Saúde de diferentes estados brasileiros, como São Paulo, bem como da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), da OMS (Organização Mundial da Saúde) e de diferentes órgãos de imprensa.

Todas as informações são ainda checadas pela equipe médica do SAS Brasil.

Se você tem alguma dúvida adicional, entre em contato e vamos procurar a resposta.

Fontes adicionais:

Volte à página principal sobre o coronavírus
O que é o coronavírus?2020-03-29T19:30:49-03:00

Os coronavírus são uma grande família viral, conhecidos desde meados de 1960, que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderadas, semelhantes a um resfriado comum. Porém, alguns coronavírus podem causar doenças graves com impacto em termos de saúde pública, como já verificado com a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), identificada em 2002, e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), identificada em 2012.

Desde o início de fevereiro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a chamar oficialmente a doença causada pelo novo coronavírus de covid-19, sigla do inglês Coronavirus Disease 2019.

(Fontes: Ministério da Saúde, Fiocruz, OMS e CDC)

Qual é a diferença entre o novo coronavírus e os outros vírus?2020-03-30T05:30:20-03:00

A doença provocada pelo novo coronavírus chama-se covid-19, sigla em inglês para “coronavirus disease 2019” (doença por coronavírus 2019, em tradução livre). Os primeiros casos foram registrados inicialmente na China, no final de 2019. Há registros em outros locais do mundo, com casos de mortes.

Os sintomas iniciais da infecção pelo novo coronavírus são muito parecidos aos da gripe. Mas há diferenças e similaridades nas formas de transmissão, na letalidade e no tratamento, entre outras.

A gripe é provocada pelo vírus influenza, que pode ser dos tipos A ou B, ainda divididos em subtipos. O H1N1 é do tipo A, enquanto o Yamagata, do tipo B. Já o agente por trás da covid-19 faz parte da família dos coronavírus. Seus integrantes podem provocar de um simples resfriado até enfermidades como SARS e MERS, que provocaram muitas mortes no passado.

Ambos se espalham por gotículas de saliva ou muco de infectados, principalmente pela tosse e espirros — ou ao passar a mão contaminada em olhos, nariz e boca. A diferença é a capacidade de contágio. Os períodos de incubação não são iguais. Enquanto a nova doença viral leva até 14 dias para começar a gerar sintomas (embora a média fique em torno de 5), a gripe se manifesta após mais ou menos 4 dias após a infecção. Em ambos os casos, pacientes assintomáticos são capazes de disseminar a enfermidade.

O novo coronavírus é considerado mais contagioso. Os estudos ainda não são categóricos, mas estima-se que a taxa básica de reprodução varie entre 2 e 3, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Isso significa que cada portador passa a doença, em média, para outros dois ou três sujeitos. No entanto, pesquisas chegaram a atribuir uma taxa de aproximadamente 6 para o novo coronavírus. A quantidade, de qualquer forma, é superior à do influenza, que fica em 1,2.

Grupos de risco e taxa de letalidade

Os mais vulneráveis à gripe são crianças, grávidas, idosos, portadores de doenças crônicas e imunossuprimidos. A população de risco do coronavírus compreende os últimos três grupos citados, porém os pequenos parecem sofrer menos com o problema (embora possam transmiti-lo).

A mortalidade relacionada à covid-19 parece ser maior. Até o momento, a taxa de letalidade do coronavírus fica em torno de 3% a 4%. O influenza, por outro lado, mata menos de 0,1%. Mas há ponderações: a primeira é que a letalidade do novo coronavírus varia de acordo com o local; a segunda, que esse dado depende do acesso e da qualidade dos cuidados de saúde.

(Fontes: Ministério da Saúde, Revista Saúde/Editora Abril)

Existe vacina para prevenção ao coronavírus?2020-03-29T12:25:57-03:00

Até o momento, não. No entanto, cientistas ao redor do mundo e no Estado de São Paulo, como as equipes do Instituto Butantan, já iniciaram pesquisas para desenvolvimento de vacina. Ainda é precoce indicar se e quando ela estará disponível.

(Fonte: Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo)

Quais os sintomas do coronavírus?2020-03-29T17:47:14-03:00

Os sinais e sintomas clínicos são principalmente respiratórios, semelhantes aos de um resfriado comum. Podem também causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. Os principais sintomas são:

  • Febre;
  • Tosse;
  • Coriza;
  • Dificuldade para respirar.

A infecção pelo coronavírus pode provocar sintomas graves, embora a maioria das pessoas infectadas apresente sintomas leves a moderados. A covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, pode inclusive levar à morte.

(Fontes: Fiocruz e Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

O que é o ‘período de incubação’ e qual é o tempo de incubação do coronavírus?2020-03-29T17:55:21-03:00

Período de incubação consiste no intervalo entre a data de contato com o vírus até o início da manifestação dos sintomas. No caso da covid-19, já se sabe que o vírus pode ficar incubado por até duas semanas (14 dias), quando os sintomas aparecem desde a infecção. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), no caso da covid-19 esse intervalo varia de 1 a 14 dias, geralmente ficando em torno de 5 dias.

(Fontes: OMS, Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo e Fiocruz)

Como ocorre a transmissão do coronavírus?2020-03-29T17:45:22-03:00

As investigações sobre transmissão do novo coronavírus ainda estão em andamento, mas a disseminação de pessoa para pessoa, ou seja, a contaminação por contato está ocorrendo. É importante observar que a disseminação de pessoa para pessoa pode ocorrer de forma continuada, ou seja, um infectado pelo vírus pode passá-lo para alguém que ainda não foi infectado.

Neste momento, está estabelecida a transmissão por contato com secreções. A transmissão costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas, como:

  • Gotículas de saliva;
  • Espirro;
  • Tosse;
  • Catarro;
  • Contato pessoal próximo, como toque ou aperto de mão com pessoa infectada;
  • Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com a boca, nariz ou olhos.

Alguns vírus são altamente contagiosos, como o sarampo, que é transmitido por partículas no ar, com proporção de transmissão de uma para até 18 pessoas, em média. O conhecimento já registrado sobre os coronavírus indica que eles apresentam transmissão de uma para até três pessoas.

(Fontes: Fiocruz e Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

O coronavírus pode matar?2020-03-29T12:41:58-03:00

O óbito pode ocorrer em virtude de complicações da infecção, como por exemplo, insuficiências respiratórias. Os dados mais recentes da OMS (Organização Mundial da Saúde) indicam taxa de letalidade de 2 a 3% dos casos confirmados.

(Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

Como se prevenir contra a covid-19?2020-03-29T18:01:55-03:00

As principais orientações são:

  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal;
  • Limpar regularmente o ambiente e mantê-lo ventilado;
  • Lavar as mãos por pelo menos 20 segundos com água e sabão ou usar antisséptico de mãos à base de álcool;
  • Deslocamentos/viagens não devem ser realizados enquanto a pessoa estiver doente;
  • Quem viajar aos locais com circulação do vírus deve evitar contato com pessoas doentes, animais (vivos ou mortos), além de evitar a circulação em mercados de animais e seus produtos.

Pessoas sem sintomas respiratórios, como tosse, não precisam usar máscara médica. A OMS recomenda o uso de máscaras apenas para pessoas com sintomas de covid-19 e para aqueles que cuidam de indivíduos com sintomas, como tosse e febre.

(Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

Como é a prevenção contra o coronavírus para os profissionais de saúde?2020-03-30T03:42:24-03:00

Profissionais de saúde devem utilizar medidas de proteção padrão para contato e gotículas (máscara cirúrgica, luvas, avental não estéril e óculos de proteção). Para a realização de procedimentos que gerem aerossolização de secreções respiratórias como intubação, aspiração de vias aéreas ou indução de escarro, deverá ser utilizada máscara de precaução por aerossóis tipo N95.

Com relação às máscaras faciais, a OPAS (Organização Panamericana de Saúde), vinculada à OMS (Organização Mundial da Saúde), tem uma lista de recomendações sobre o uso de máscaras faciais durante a epidemia por profissionais de saúde, incluindo quem deve usar o equipamento, em que circunstâncias e locais e como usá-las de forma adequada.

(Fontes: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo e OPAS)

O que fazer em caso de sintomas?2020-03-29T12:48:23-03:00

Assim que surgirem os primeiros sintomas, o paciente deve procurar o serviço de saúde mais próximo da sua residência. O profissional vai avaliar se os sintomas podem indicar alguma probabilidade de infecção por coronavírus, coletar material para diagnóstico e iniciar o tratamento. A infecção apresenta manifestações clínicas parecidas com as de outros vírus e não existe tratamento específico para infecções por coronavírus até o momento. Dessa forma, no caso do novo coronavírus é indicado:

  • Repouso;
  • Hidratação (ingestão de bastante água e líquidos);
  • Medidas adotadas para aliviar os sintomas, conforme cada caso, como: uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos); uso de umidificador no quarto; tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garganta e tosse.

Pacientes com sintomas mais intensos podem ser hospitalizados. A definição compete ao médico responsável pelo caso.

(Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

Como é feito o diagnóstico da covid-19?2020-03-29T17:33:47-03:00

O diagnóstico é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou coleta de secreções da boca e nariz). O procedimento deve ser realizado para todos os casos suspeitos.

As amostras são encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), definido pelo Ministério da Saúde para cada região – no caso de São Paulo, é o Instituto Adolfo Lutz.

Há ainda a possibilidade de diagnóstico por meio de testes rápidos, feitos com gotas de sangue que identificam os anticorpos contra o vírus. Esses testes só apontam a contaminação após 3o a 5o dias de sintomas, por isso podem ter um resultado falso negativo inicialmente.

(Fontes: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo e equipe médica SAS Brasil)

Qualquer hospital pode receber paciente com coronavírus?2020-03-29T17:52:08-03:00

Para um correto manejo clínico desde o contato inicial com os serviços de saúde, é preciso considerar e diferenciar cada caso. Os casos graves devem ser encaminhados a um hospital de referência estadual para isolamento e tratamento. Os casos suspeitos leves podem não necessitar de hospitalização, sendo acompanhados pela Atenção Primária e instituídas medidas de precaução domiciliar. Porém, é necessário avaliar cada caso.

(Fontes: Anvisa e Fiocruz)

Como é feito o tratamento contra o coronavírus?2020-03-29T18:04:57-03:00

Não existe ainda uma medicação antiviral específica para tratar o novo coronavírus. O tratamento é feito com base nos sintomas individuais de cada paciente. As pessoas afetadas devem receber cuidados para aliviar os sintomas. Pessoas com doenças graves devem ser hospitalizadas. A maioria dos pacientes se recupera graças aos cuidados de suporte.

Da mesma forma, como trata-se de um vírus novo, ainda não há vacina disponível. Vale lembrar que a vacina para o vírus influenza, que tomamos anualmente no período que antecipa o inverno, não pode proteger contra o novo coronavírus, porque são vírus diferentes.

(Fonte: Fiocruz)

Animais domésticos podem ser infectados com o novo coronavírus?2020-03-30T04:06:25-03:00

Embora o coronavírus pareça ter surgido de uma fonte animal na China, o risco nesse momento é com a transmissão entre pessoas. Não há, até o momento, evidência de que qualquer animal no Brasil possa ser fonte de transmissão do novo coronavírus. Isso inclui os animais domésticos, como cachorros ou gatos.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) ressalta que, embora tenha havido um caso de cachorro infectado em Hong Kong, até o momento, não há evidências de que qualquer animal de estimação possa transmitir a covid-19. O novo coronavírus se espalha principalmente por gotículas produzidas quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala. Para se proteger, limpe as mãos com frequência e em profundidade. A OMS avisa que “continua monitorando as mais recentes pesquisas sobre este e outros tópicos da covid-19 e que à medida que novas descobertas estiverem disponíveis, avisará o público”.

(Fontes: Fiocruz e OMS)

Antibióticos são eficazes na prevenção ou tratamento do Covid-19?2020-03-29T17:53:09-03:00

Não. Os antibióticos não funcionam contra vírus, eles funcionam apenas em infecções bacterianas. A covid-19 é causada por um vírus (o coronavírus), portanto os antibióticos não funcionam. Antibióticos não devem ser usados ​​como um meio de prevenção ou de tratamento de covid-19.

(Fonte: Fiocruz)

Chá de abacate com hortelã, mel, uísque ou outras substâncias previnem a infecção?2020-03-29T19:36:07-03:00

Até o momento, não há nenhum medicamento, substância, vitamina, alimento específico ou vacina que possa prevenir a infecção pelo novo coronavírus. Tenha cuidado ao receber receitas caseiras e evite compartilhar esse conteúdo. Algumas podem inclusive fazer mal no caso de contágio por coronavírus.

Da mesma forma, não há nenhuma evidência de que a utilização de vitamina C, própolis ou outras substâncias proteja contra o novo coronavírus. Uma alimentação saudável é muito mais recomendável.

(Fonte: Fiocruz)

O coronavírus foi criado em laboratório e é semelhante ao vírus HIV?2020-03-29T18:15:12-03:00

Essa informação é falsa. Não há nenhum registro científico que indique essa semelhança e muito menos que o coronavírus tenha sido criado em laboratório.

A origem desse novo vírus ainda é desconhecida. Pesquisadores estão trabalhando na árvore genética do novo coronavírus para tentar determinar essa fonte. Os coronavírus pertencem a uma família de vírus que podem circular tanto entre pessoas como entre animais, incluindo camelos, gatos e morcegos.

(Fonte: Fiocruz)

A utilização das máscaras é recomendada para evitar o coronavírus?2020-03-30T03:39:43-03:00

Pessoas sem sintomas respiratórios, como tosse, não precisam usar máscara médica. A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda o uso de máscaras apenas para pessoas com sintomas de covid-19 e para aqueles que cuidam de indivíduos com sintomas, como tosse e febre.

A OPAS (Organização Panamericana de Saúde), vinculada à OMS, tem uma lista de recomendações sobre o uso de máscaras faciais durante a epidemia, incluindo quem deve usar o equipamento, em que circunstâncias e locais e como usá-las de forma adequada. A lista tem recomendações para profissionais de saúde e para o público em geral.

(Fontes: Fiocruz, OPAS e OMS)

Como é feita a notificação para o Ministério da Saúde dos casos de coronavírus?2020-03-29T18:06:34-03:00

As notificações de casos suspeitos para o Ministério da Saúde são feitas automaticamente pelos estados, desde 17 de março de 2020. Antes, as notificações desses casos passavam por uma análise prévia para saber se estavam enquadrados nos critérios clínicos estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

(Fonte: Fiocruz)

Uma mulher lactante infectada pelo coronavírus pode continuar amamentando?2020-03-29T18:12:14-03:00

A Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta a manutenção da amamentação por falta de elementos que comprovem que o leite materno possa disseminar o novo coronavírus. Além disso, os Centers for Disease Control and Prevention (CDC), nos Estados Unidos, o Royal College of Obstetricians and Gynaecologists (RCOG), de Londres; a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP); o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP); o Instituto de Saúde da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo (IS-SP); a Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras (Abenfo); e a Rede Internacional em Defesa do Direito de Amamentar (IBFAN) destacam que os benefícios da amamentação superam quaisquer riscos potenciais de transmissão do vírus através do leite materno.

Leia alguns cuidados adicionais que a mãe com coronavírus deve ter ao amamentar.

(Fonte: Fiocruz)

Uma pessoa pode transmitir o coronavírus mesmo sem apresentar sintomas?2020-03-29T18:14:18-03:00

Sim. Pelos dados apresentados até momento, o período de incubação do vírus pode variar de 2 a 14 dias. Durante esse tempo, o vírus tem capacidade de transmissão. Por isso, é importante adotar medidas gerais, como lavar as mãos com frequência e não compartilhar objetos de uso pessoal, bem como manter-se em isolamento e reforçar essa medida junto a idosos, o grupo da população mais vulnerável ao novo coronavírus.

(Fonte: Fiocruz)

Quanto tempo o coronavírus sobrevive em superfícies?2020-03-29T18:17:13-03:00

Não se sabe ao certo quanto tempo o vírus que causa a covid-19 sobrevive em superfícies, mas ele parece se comportar como outros coronavírus. Uma série de estudos aponta que os coronavírus (incluindo informações preliminares sobre o vírus da covid-19) podem persistir nas superfícies por algumas horas ou até vários dias.

Vale ressaltar, entretanto, que é seguro receber pacotes de áreas em que a covid-19 tenha sido notificada, porque a probabilidade de uma pessoa infectada contaminar mercadorias comerciais é baixa e o risco de pegar o vírus em um pacote que foi movido, transportado e exposto a diferentes condições e temperaturas também é baixo.

(Fonte: Fiocruz)

É seguro receber um pacote de qualquer área em que a covid-19 tenha sido notificada?2020-03-29T18:17:56-03:00

Sim. A probabilidade de uma pessoa infectada contaminar mercadorias comerciais é baixa e o risco de pegar o vírus que causa a covid-19 em um pacote que foi movido, transportado e exposto a diferentes condições e temperaturas também é baixo.

(Fonte: Fiocruz)

O Ministério da Saúde tem uma plataforma para acompanhamento da epidemia?2020-03-30T05:08:31-03:00

Sim. O Ministério da Saúde publica todas as informações sobre a epidemia, inclusive boletins epidemiológicos sobre a situação brasileira, publicações e documentos sobre o coronavírus, planos de contingência para a doença e listas atualizadas de países monitorados nesta página especial de seu site.

O Ministério da Saúde tem ainda o Painel Coronavírus, em que publica, diariamente, os números de casos confirmados e de óbitos por coronavírus, a porcentagem de letalidade da doença (hoje ao redor de 3% no país), bem como o número e a participação nacional dos casos por região e por estado do país, o número de novos casos por dia, os casos por semana epidemiológica e o total acumulado de casos dia a dia desde 26 de fevereiro de 2020.

Em São Paulo, a Secretaria de Saúde do governo mantém um painel semelhante, atualizado diariamente, com o número de novos casos, número acumulado de casos e de óbitos confirmados, bem como da lista de municípios paulistas em que há registro de casos, com o número correspondente.

(Fontes: Ministério da Saúde, Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo e Fiocruz)

Qual é a orientação para viajantes que retornaram de viagem internacional ou fizeram viagem pelo Brasil?2020-03-29T18:44:30-03:00

Se você voltou de viagem internacional, recomenda-se isolamento domiciliar voluntário por 7 (sete) dias após o desembarque, mesmo que não tenha apresentado sintomas. Se a viagem foi dentro do Brasil, fique atento à sua condição de saúde, principalmente nos primeiros 14 (quatorze) dias. Em ambos os casos, lave sempre as mãos com água e sabão.

No caso de ter viagens já compradas, a maioria das companhias aéreas está flexibilizando regras para alterar a data da viagem, sem precisar tomar uma decisão imediatamente, e também para pedir o reembolso dos valores pagos pelas passagens.

(Fontes: Fiocruz e companhias aéreas)

Como é o atendimento em postos de saúde de pacientes suspeitos de coronavírus?2020-03-29T18:46:06-03:00

Postos de saúde, em regiões que já identificaram transmissão comunitária de coronavírus, passam a adotar nova metodologia de atendimento para pacientes que buscam as unidades com sintomas característicos da covid-19, como febre junto com tosse, dor de garganta ou dificuldade respiratória.

Em 80% dos casos, os sintomas de coronavírus são leves, semelhantes a uma gripe. Nestes casos, o essencial, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é evitar sair de casa. O Ministério da Saúde recomenda ficar em repouso e tomar bastante água.

(Fontes: Fiocruz, OMS e Ministério da Saúde)

Qual é a recomendação para quem suspeite que pode estar com o coronavírus?2020-03-29T18:47:03-03:00

Em 80% dos casos, os sintomas de coronavírus são leves, semelhantes a uma gripe. Nestes casos, o essencial, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), é evitar sair de casa. O Ministério da Saúde recomenda ficar em repouso e tomar bastante água.

(Fontes: Fiocruz, OMS e Ministério da Saúde)

Por que a campanha de vacinação contra gripe é importante nesse momento de pandemia de coronavírus?2020-03-29T19:26:39-03:00

É importante destacar que a vacina contra influenza não tem eficácia contra o coronavírus. Porém, neste momento essa vacina irá auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para coronavírus, uma vez que os sintomas das duas doenças (gripe e covid-19) são parecidos. E, ainda, ajuda a reduzir a procura por serviços de saúde, que podem ficar colapsados caso exista um número muito alto de internações de pessoas com gripe, o que costuma ocorrer nessa época do ano.

(Fonte: Fiocruz)

Por que a doença causada pelo novo vírus recebeu o nome de covid-19?2020-03-29T19:32:00-03:00

Desde o início de fevereiro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a chamar oficialmente a doença causada pelo novo coronavírus de covid-19, sigla do inglês Coronavirus Disease 2019.

(Fontes: Fiocruz e CDC)

Tem alguma temperatura que o vírus não resista?2020-03-29T19:33:19-03:00

O novo coronavírus é muito recente, bem como os estudos a respeito do vírus. Como todo vírus respiratório, a tendência dele é se espalhar mais em ambientes secos e com temperaturas mais baixas. Temperatura mais elevada diminui a atividade do vírus, mas não quer dizer que não haja risco de transmissão.

(Fonte: Fiocruz)

Diante da falta de álcool em gel, posso colocar gel de cabelo no álcool 70 líquido como alternativa?2020-03-29T19:34:19-03:00

Preparações caseiras não têm a certificação do Inmetro, que garante a concentração correta do álcool no produto e a eficácia do mesmo. Adicionalmente, a manipulação de produtos inflamáveis em ambientes não seguros pode resultar em acidentes.

(Fonte: Fiocruz)

Uma pessoa que teve coronavírus e se recuperou ainda pode transmitir o vírus?2020-03-29T19:34:56-03:00

Após a recuperação da covid-19, não há mais risco de transmitir a doença.

Tomar vitamina C e própolis ajuda a prevenir contra o coronavírus?2020-03-29T19:37:06-03:00

Não há nenhuma evidência de que a utilização de vitamina C, própolis ou qualquer outra substância proteja contra o novo coronavírus. Uma alimentação saudável é muito mais recomendável.

(Fonte: Fiocruz)

Em quanto tempo uma pessoa infectada de forma leve está curada da doença?2020-03-29T19:38:10-03:00

Em média, as pessoas começam a melhorar a partir do 7º dia e ficam boas em cerca de 10 dias, devendo ficar isoladas no mínimo por até 14 dias após o início dos sintomas.

(Fonte: Fiocruz)

É verdade que notas e moedas carregam a covid-19?2020-03-29T19:40:06-03:00

Não, isso é falso. A declaração foi atribuída à Organização Mundial da Saúde (OMS), mas não há registros de que a entidade tenha dito que notas de dinheiro ou moedas transmitem a covid-19. Não há nenhum aviso ou declaração a esse respeito. A OMS recomenda que as pessoas lavem as mãos regularmente com água e sabão ou higienizador à base de álcool para matar vírus que possam estar nas mãos.

(Fontes: Fiocruz e OMS)

É preciso ter algum cuidado especial com as roupas?2020-03-29T19:41:17-03:00

Não é necessário, basta lavá-las normalmente com água e sabão.

(Fonte: Fiocruz)

Posso levar água e sabão para a rua como alternativa ao álcool em gel?2020-03-29T19:43:42-03:00

Sim, lavar as mãos com água e sabão é tão eficaz quanto utilizar álcool em gel. Água sanitária não é recomendado. Vale lembrar que a quantidade de água utilizada é menos importante do que lavá-las com sabão, esfregando-as bem e por 20 segundos.

(Fonte: Fiocruz)

Lavar as mãos com pouca água elimina o vírus?2020-03-29T19:44:54-03:00

O mais importante é que as mãos sejam bem esfregadas, com sabão, e não a quantidade de água utilizada.

(Fonte: Fiocruz)

Como se prevenir em um lugar pequeno onde moram muitas pessoas e que saem para trabalhar? Ajuda inverter as posições na cama?2020-03-29T19:46:01-03:00

Se alguém apresentar algum sintoma, deve se isolar. É preciso designar locais onde a pessoa sintomática fique distante de outros moradores. Inverter a posição na cama não resolve o problema, pois o vírus está presente no ambiente como um todo.

(Fonte: Fiocruz)

Máscaras caseiras feitas com pano de pia funcionam?2020-03-29T19:48:02-03:00

O perfex (pano de pia) é poroso e não protege. Mas a máscara vendida em farmácias também não impede o contágio. A maioria dos casos vem por meio do contato físico. É mais importante lavar bem as mãos. A OMS (Organização Mundial da Saúde) recomenda que as máscaras sejam de uso exclusivo de profissionais de saúde ou de pessoas que cuidem de quem está com o vírus, para não faltar. Há escassez do produto em várias localidades no mundo.

(Fontes: OMS e Fiocruz)

Quais são os critérios para aplicação do teste? Pessoas com sintomas leves não estão sendo testadas?2020-03-29T19:48:48-03:00

Pessoas com dificuldade respiratória têm prioridade porque não há kits suficientes para todos que procuram os serviços de saúde. A pessoa que não tiver sintoma grave deve ficar em casa e circular o menos possível.

(Fonte: Fiocruz)

O número de casos notificados é inferior ao real?2020-03-29T19:49:31-03:00

Sim. O Brasil não tem testes em quantidade suficiente para atender a demanda, então é possível que haja subnotificação.

(Fonte: Fiocruz)

Quem é considerado como grupo de risco?2020-03-29T19:55:33-03:00

Pessoas com anemia falciforme, problemas respiratórios, fumantes de longa data, hipertensos, diabéticos, pessoas com doenças crônicas e idosos (acima de 60 anos) devem ter um cuidado ainda maior em meio à epidemia, porque são considerados grupos de risco.

Vale lembrar que a tuberculose, assim como todas as outras doenças respiratórias, coloca a pessoa em um grupo de risco.

Pessoas com doença de pele, como erisipela e urticária, não são necessariamente consideradas como grupo de risco. A questão deve ser observada durante o tratamento, porque algumas medidas utilizam medicamentos que reduzem a imunidade e, se usadas por um longo tempo, podem colocar essa pessoa em situação de maior vulnerabilidade.

(Fonte: Fiocruz)

A tuberculose coloca a pessoa em um grupo de risco?2020-03-29T19:54:02-03:00

Sim, a tuberculose e todas as outras doenças respiratórias.

(Fonte: Fiocruz)

Pessoas com doença de pele são grupo de risco?2020-03-29T19:56:55-03:00

Pessoas com doença de pele, como erisipela e urticária, não são necessariamente consideradas como grupo de risco. A questão deve ser observada no tratamento, entretanto, porque alguns tratamentos utilizam medicamentos que reduzem a imunidade e, se usadas por um longo período, podem colocar essa pessoa em uma situação de maior vulnerabilidade.

(Fonte: Fiocruz)

Que medidas podem ser tomadas no transporte público?2020-03-29T19:59:11-03:00

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é a de evitar locais com grande aglomeração de pessoas, o que pode ser o caso de ônibus, trens ou metrôs. No caso de passageiros e motoristas de lotações ou de moto-táxi, a indicação é a mesma: evitar a lotação, o que é mais seguro para todos os envolvidos. Mototaxistas devem manter a higiene das mãos.

(Fontes: OMS e Fiocruz)

Como fazer a prevenção de idosos que precisam de cuidados?2020-03-29T20:00:20-03:00

Idosos (maiores de 60 anos) que precisam de cuidados devem ficar em casa. Nesse período de quarentena, os cuidadores devem evitar o contato direto, como beijos e abraços.

(Fonte: Fiocruz)

Por que não apenas as pessoas em grupos de risco precisam ficar isoladas?2020-03-29T20:03:25-03:00

O isolamento é recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a população como um todo (à exceção de profissionais de saúde e de serviços considerados essenciais) porque cada pessoa tem seu papel na transmissão. Estudos mostram que cada pessoa infectada transmite para até outras três pessoas. Ao fim de dez passos, já são mais de 10 mil pessoas infectadas.

(Fontes: OMS e Fiocruz)

Qual máscara deve ser usada pelo profissional de saúde se o paciente não tem sintomas respiratórios?2020-03-30T03:40:52-03:00

O Ministério da Saúde recomenda que se o paciente não tiver problemas respiratórios não é preciso usar a máscara, sendo melhor guardá-la para momentos mais delicados.

A OPAS (Organização Panamericana de Saúde), vinculada à OMS (Organização Mundial da Saúde), tem uma lista de recomendações sobre o uso de máscaras faciais durante a epidemia para profissionais de saúde, incluindo quem deve usar o equipamento, em que circunstâncias e locais e como usá-las de forma adequada.

(Fontes: Ministério da Saúde, Fiocruz e OPAS)

Ferver a comida mata o coronavírus?2020-03-29T20:08:13-03:00

Sim, mata esse e outros agentes infecciosos. Alimentos crus devem ser evitados porque não conhecemos sua procedência e não sabemos como foram manuseados. Para limpar saladas e frutas, use hipoclorito.

(Fonte: Fiocruz)

É possível se infectar por meio de relação sexual?2020-03-29T20:09:05-03:00

Pela relação sexual não, mas o beijo pode ser um transmissor do coronavírus.

(Fonte: Fiocruz)

Qualquer sabão serve para higienizar?2020-03-29T20:09:52-03:00

Sim. E só é preciso lavar as mãos se houver contato externo. Se a pessoa estiver em casa o dia inteiro, não precisa lavar as mãos para se prevenir do coronavírus.

(Fonte: Fiocruz)

A vacina contra influenza deve ser tomada se a pessoa estiver com coronavírus?2020-03-29T20:10:40-03:00

É melhor esperar que a pessoa se cure do novo coronavírus. A vacina pode dar febre e outras reações que prejudicariam a pessoa infectada.

(Fonte: Fiocruz)

Como reforçar a imunidade de pessoas em favelas que precisam trabalhar?2020-03-29T20:11:57-03:00

As recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), nesses casos, é dormir bem e se alimentar bem, manter cuidados de higiene das mãos e evitar tocar o rosto quando estiver fora de casa. A pessoa que sai para trabalhar se expõe mais e deve estar mais atenta e cuidadosa.

(Fontes: OMS e Fiocruz)

Qual é a definição de ‘caso notificado’?2020-03-29T20:20:05-03:00

Caso notificado é aquele comunicado no sistema de monitoramento do Ministério da Saúde, abastecido diretamente pelas prefeituras. Pacientes com febre e que apresentem pelo menos um sintoma respiratório, como tosse ou dificuldade para respirar. Além disso, é necessário ter histórico de viagem em área de transmissão local, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde) ou o Ministério da Saúde, nos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sintomas.

(Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

Qual é a definição de ‘caso suspeito’?2020-03-29T20:24:09-03:00

Caso suspeito é aquele comunicado no sistema do Ministério da Saúde que se enquadra na definição estabelecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde). Lembrando: pacientes que apresentam sintomas respiratórios, como febre e tosse e que viajaram para a China ou para país(es) com transmissão no território; pacientes que estiveram em contato com alguém que viajou para esse(s) destino(s) ou que teve contato com um caso suspeito ou confirmado.

(Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

Qual é a definição de ‘caso confirmado’?2020-03-29T20:25:26-03:00

Um caso confirmado é aquele que tenha sido comunicado no sistema do Ministério da Saúde e que se enquadra nas definições estabelecida pela OMS (Organização Mundial da Saúde), e que apresentou resultados conclusivos para os exames realizados, com positividade para o novo coronavírus.

(Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

Qual é a definição de ‘caso descartado’?2020-03-29T20:26:38-03:00

Casos descartados são aqueles que foram comunicados no sistema do Ministério da Saúde e que se enquadram nas definições estabelecidas pela OMS (Organização Mundial da Saúde), mas que deu negativo para o novo coronavírus.

(Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

Qual é a definição de ‘caso excluído’?2020-03-29T20:28:23-03:00

Caso excluído é aquele que foi comunicado no sistema do Ministério da Saúde mas que se não se enquadrou nas definições estabelecidas pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

(Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

Por que é importante o município fazer a notificação dentro de 24 horas? Quais providências o profissional deve adotar?2020-03-30T03:36:21-03:00

A notificação é importante para que os gestores de saúde realizem o monitoramento e as ações recomendadas, como coleta adequada de amostras para diagnóstico. A covid-19 é de notificação compulsória imediata, ou seja, qualquer caso suspeito e/ou confirmado precisa ser registrado no sistema oficial do Ministério da Saúde.

(Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo)

Fumantes e usuários de tabaco correm maior risco de infecção por covid-19?2020-03-30T03:46:44-03:00

É provável que fumantes sejam mais vulneráveis à covid-19, pois o ato de fumar significa que os dedos (e possivelmente os cigarros contaminados) estão em contato com os lábios, o que aumenta a possibilidade de transmissão do vírus da mão para a boca. Fumantes também podem já ter doença pulmonar ou capacidade pulmonar reduzida, o que aumentaria muito o risco de doença grave.

Produtos para fumar geralmente envolvem o compartilhamento de bocais e de mangueiras, o que poderia facilitar a transmissão da covid-19 em ambientes comunitários e sociais.

Condições que aumentam as necessidades de oxigênio ou que reduzem a capacidade do corpo de usá-lo adequadamente colocam os pacientes em maior risco de doenças pulmonares graves, como pneumonia.

(Fonte: OMS)

Qual a minha probabilidade de pegar a covid-19?2020-03-30T03:50:31-03:00

O risco depende de onde você vive – e, mais especificamente, se existe um surto de covid-19 na sua cidade ou país. Para a maioria das pessoas na maioria dos locais, o risco de pegar a covid-19 ainda é baixo. No entanto, agora há lugares em todo o mundo (cidades ou regiões) em que a doença está se espalhando. Para pessoas que moram ou visitam essas áreas, o risco de pegar a doença é maior. Governos e autoridades de saúde estão tomando medidas severas sempre que um novo caso de covid-19 é identificado.

Certifique-se de cumprir todas as restrições locais sobre viagens, movimentação ou grandes aglomerações. A cooperação com os esforços de controle de doenças reduzirá o risco de pegar ou de espalhar a covid-19. Surtos de covid-19 podem ser contidos e a transmissão, interrompida, como foi demonstrado na China e em alguns outros países. Infelizmente, novos surtos podem surgir rapidamente. É importante estar ciente da situação em que você está ou pretende ir. A OMS publica atualizações diárias sobre a situação da covid-19 em todo o mundo.

(Fonte: OMS)

Devo me preocupar com a covid-19?2020-03-30T03:54:02-03:00

A doença relacionada à infecção pelo novo coronavírus (covid-19) é geralmente leve, especialmente para crianças e adultos jovens. No entanto, ela pode causar doenças graves: cerca de 1 em cada 5 pessoas que a pegam precisa de cuidados hospitalares. Portanto, é bastante normal que as pessoas se preocupem com o impacto do surto de covid-19 sobre elas e seus entes queridos.

Podemos canalizar nossas preocupações em ações para proteger a nós mesmos, aos nossos entes queridos e às nossas comunidades. Em primeiro lugar, entre essas ações está a lavagem regular e completa das mãos e a boa higiene respiratória.

Em segundo lugar, mantenha-se informado e siga os conselhos das autoridades locais de saúde, incluindo quaisquer restrições impostas a viagens, movimentação e aglomerações. Se quiser saber mais sobre como se proteger, acesse o site sobre conselhos ao público da OMS (Organização Mundial da Saúde).

(Fonte: OMS)

A covid-19 e a SARS são a mesma coisa?2020-03-30T03:57:27-03:00

Não. O vírus que causa a covid-19 e o que causou o surto da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) em 2003 estão relacionados entre si geneticamente, mas as doenças que eles causam são bem diferentes.

A SARS foi mais mortal, mas muito menos infecciosa que a covid-19. Desde 2003, não houve registros de surtos de SARS em nenhum lugar do mundo.

(Fonte: OMS)

Como colocar, usar, tirar e descartar uma máscara?2020-03-30T04:03:06-03:00
  1. Lembre-se que as máscaras devem ser usadas apenas por profissionais de saúde, cuidadores e por indivíduos que apresentem sintomas respiratórios, como febre e tosse;
  2. Antes de tocar na máscara, limpe as mãos com um sabonete a base de álcool ou com água e sabão;
  3. Pegue a máscara e verifique se há rasgos ou buracos;
  4. Procure qual é o lado superior (onde fica a tira de metal);
  5. Verifique se o lado colorido da máscara está voltado para fora;
  6. Coloque a máscara no seu rosto, apertando a tira de metal ou a borda rígida para que ela se adapte ao formato do seu nariz;
  7. Puxe a parte inferior da máscara de forma que ela cubra a sua boca e o seu queixo;
  8. Após o uso, retire a máscara com cuidado, evitando tocar nas superfícies potencialmente contaminadas: remova os elásticos das orelhas e mantenha a máscara afastada do seu rosto e roupas;
  9. Descarte a máscara em uma lixeira fechada imediatamente após o uso;
  10. Execute a higiene das mãos depois de tocar ou de descartar a máscara – esfregue as mãos com um sabonete a base de álcool ou, se estiver visivelmente sujas, lave-as com água e sabão.

(Fonte: OMS)

Existe algo que eu não deva fazer em relação à covid-19?2020-03-30T04:09:23-03:00

As seguintes medidas NÃO são eficazes contra a covid-2019 e podem ser inclusive prejudiciais:

  • Fumar;
  • Usar várias máscaras;
  • Tomar antibióticos.

De qualquer forma, se você tiver febre, tosse e dificuldade para respirar, procure atendimento médico logo para reduzir o risco de desenvolver uma infecção mais grave e compartilhe seu histórico de viagens recente com o seu médico. Lembre-se que o SAS Brasil está oferecendo atendimentos por telemedicina.

(Fonte: OMS)

O novo coronavírus fica no ar?2020-03-30T04:13:16-03:00

O vírus que causa a covid-19 é transmitido principalmente por meio de gotículas geradas quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou fala. Essas gotículas são muito pesadas para permanecer no ar: elas caem rapidamente no chão ou em superfícies como mesas, maçanetas etc.

Você pode ser infectado respirando o vírus se estiver a menos de 1 metro de distância de uma pessoa que tem a covid-19 ou ainda tocando uma superfície contaminada e, em seguida, levando as mãos aos olhos, nariz ou boca antes de lavá-las. Por isso é importante manter uma boa higiene das mãos sempre que tocar objetos. Se você não tiver acesso fácil a água e sabão, use álcool em gel.

(Fontes: OMS e equipe SAS Brasil)

Como ocorreram as primeiras infecções humanas pelo coronavírus?2020-03-30T04:17:11-03:00

Os primeiros casos humanos de covid-19 foram identificados na cidade chinesa de Wuhan, em dezembro de 2019. Na fase atual, não é possível determinar com precisão como os seres humanos na China foram inicialmente infectados com o vírus.

No entanto, o SARS-CoV, vírus que causou o surto de SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em 2003, saltou de um reservatório de animais (gatos selvagens de criação) para os humanos e depois se espalhou entre os humanos. De maneira semelhante, acredita-se que o novo coronavírus tenha pulado a barreira das espécies e infectado inicialmente os seres humanos, mas mais provavelmente por meio de um hospedeiro intermediário, ou seja, outra espécie animal com maior probabilidade de ser tratada pelos seres humanos – poderia ser um animal doméstico, selvagem ou um animal selvagem domesticado. Até o momento, entretanto, esse hospedeiro intermediário não foi identificado.

Até que a fonte desse vírus seja identificada e controlada, existe o risco de reintrodução do coronavírus na população humana e o risco de novos surtos como os que estamos enfrentando atualmente.

(Fonte: OMS)

Como o Itamaraty pode prestar ajuda a brasileiros no exterior?2020-03-30T04:21:58-03:00

O Ministério das Relações Exteriores (MRE) estabeleceu um Grupo Consular de Crise para assistência a viajantes brasileiros que estão no exterior e que foram afetados pela pandemia do novo coronavírus. Os viajantes podem preencher um formulário para receber informações sobre a covid-19.

Também estão disponíveis números telefônicos brasileiros para assistência aos brasileiros, divididos em regiões geográficas, dependendo de onde a pessoa estiver:

  • América do Sul: +55 (61) 9826 00 767;
  • América do Norte, Central e Caribe: + 55 (61) 9826 00 610;
  • Europa: + 55 (61) 9826 00 787;
  • África e Oriente Médio: + 55 (61) 9826 00 568;
  • Ásia e Oceania: + 55 (61) 9826 00 613.

O Itamaraty também sugere que os viajantes se informem pelos perfis da Embaixada ou do consulado brasileiro na região em que se encontram, bem como pela página de alertas do portal consular.

(Fontes: Anvisa e Itamaraty)

Quais medidas devem ser adotadas por quem trabalha nos pontos de entrada do país?2020-03-30T04:26:03-03:00

Quem trabalha em portos, aeroportos e fronteiras terrestres deve adotar sempre as seguintes medidas preventivas, independentemente da indicação de uso ou não dos equipamentos de proteção individual (EPIs):

  • Frequente higienização das mãos, com água e sabonete;
  • Quando as mãos não estiverem visivelmente sujas, pode ser utilizado álcool em gel para higienizá-las;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal e descartá-lo imediatamente após o uso;
  • Cobrir o nariz e a boca ao espirrar ou tossir usando a dobra do cotovelo (evitar usar as mãos);
  • Evitar tocar mucosas dos olhos, nariz e boca com as mãos sujas ou possivelmente contaminadas;
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar.

Os EPIs (como máscaras faciais, por exemplo) devem ser utilizados, quando necessário, respeitando-se as recomendações abaixo:

  • Se não houver relato da presença de caso suspeito, os trabalhadores que realizam abordagem em aviões, navios e demais meios de transporte devem utilizar máscara cirúrgica;
  • Se houver relato de presença de caso suspeito, trabalhadores que realizam abordagem em aviões, navios e demais meios de transporte devem utilizar máscara cirúrgica, avental, óculos de proteção e luvas;
  • Os trabalhadores que realizam inspeção de bagagem acompanhada devem utilizar máscara cirúrgica e luvas.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informa que os EPIs para os trabalhadores e servidores de portos, aeroportos e fronteiras devem ser fornecidos pela empresa para a qual essas pessoas prestam serviço.

(Fonte: Anvisa)

O que a Anvisa tem feito nos portos, aeroportos e fronteiras?2020-03-30T04:28:45-03:00

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) intensificou as ações de monitoramento de eventos de saúde e as ações de vigilância sanitária em portos, aeroportos e fronteiras. Algumas dessas ações são:

  1. Disponibilização de materiais informativos audiovisuais com orientações de prevenção e atenção aos sinais e sintomas da doença, como avisos sonoros nos desembarques de voos;
  2. Abordagem preventiva em voos com maior número de passageiros vindos de países com casos confirmados;
  3. Abordagem dos voos que realizam comunicação de passageiros com sintomas da doença e provenientes de países com casos confirmados;
  4. Reforço dos procedimentos de limpeza e desinfecção nos terminais e nos meios de transporte;
  5. Sensibilização das equipes envolvidas em eventos de saúde nos pontos de entrada para que utilizem corretamente os equipamentos de proteção individual (EPIs) e para que estejam atentos a possíveis casos suspeitos;
  6. Atualização dos Planos de Contingência para resposta em emergências de saúde pública.

Além disso, a Anvisa integra o Centro de Operações de Emergência (COE) – Coronavírus. Instituído pelo Ministério da Saúde, o comitê tem como objetivo preparar a rede pública de saúde para o atendimento de casos no Brasil.

(Fontes: Anvisa e Ministério da Saúde)

Qual a situação da cloroquina e hidroxicloroquina no tratamento da covid-19 ?2020-03-30T04:31:19-03:00

Os estudos sobre o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina conduzidos até o momento têm um número de pacientes muito reduzido e ainda é arriscado afirmar que vai funcionar no tratamento da covid-19. Mais dados precisam ser coletados, de maneira adequada, para haver certeza de que vai funcionar.

A Anvisa, da mesma forma que o USFDA (Food and Drug Administration, entidade correlata nos Estados Unidos), não recomenda o uso indiscriminado desses medicamentos sem a confirmação de que eles realmente funcionam.

(Fonte: Anvisa)

A Anvisa proibiu a venda de cloroquina e hidroxicloroquina nas farmácias?2020-03-30T04:35:33-03:00

Não. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) não emitiu nenhum comunicado ou fez recomendações de recolhimento ou proibição de venda de cloroquina e/ou de hidroxicloroquina. A agência aumentou o controle sobre o tipo de receita exigido para a compra desses medicamentos: antes era exigida somente a receita médica comum, sem retenção, e agora passou a ser exigida a Receita de Controle Especial, em duas vias (uma delas fica retida na farmácia ou drogaria para controle da vigilância sanitária).

A quantidade que cada pessoa pode comprar também será limitada: 5 unidades (no caso de ampolas) ou quantidade de medicamento para o tratamento correspondente a no máximo 60 dias (para as demais formas farmacêuticas). A partir de agora, o médico deve prescrever utilizando a Receita de Controle Especial em duas vias.

Importante lembrar que além de todos os riscos associados à automedicação, a compra indiscriminada de medicamentos não-indicados para o uso pode resultar em desabastecimento para os pacientes que realmente precisam da medicação.

A Anvisa tem uma série de perguntas e respostas relacionadas ao uso da cloroquina e da hidroxicloroquina.

(Fonte: Anvisa)

Quais as recomendações para asilos e casas de repouso?2020-03-30T04:37:51-03:00

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicou orientações específicas para a prevenção e o controle de infecções pelo novo coronavírus (covid-19) em instituições de longa permanência para idosos (ILPIs), também conhecidas como asilos ou casas de repouso.

O objetivo é aumentar o cuidado para evitar infecções pelo vírus, que apresenta alta letalidade na população com 60 anos ou mais.

(Fonte: Anvisa)

Quais os riscos de usar narguilé e outros produtos fumígenos?2020-03-30T04:38:53-03:00

Se você fuma narguilé ou qualquer outro produto fumígeno, como cigarros, charutos, cachimbos e cigarrilhas, não compartilhe esses produtos.

Essa é uma das orientações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para evitar a disseminação da covid-19. Não se exponha à fumaça produzida por qualquer tipo de produto fumígeno e suspenda de imediato o uso de qualquer produto desse tipo.

(Fonte: Anvisa)

Quais são as principais recomendações para evitar o contágio?2020-03-30T04:40:54-03:00
  • Lave as mãos com água e sabão ou use álcool em gel;
  • Cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir;
  • Evite aglomerações se estiver doente;
  • Mantenha os ambientes bem ventilados;
  • Não compartilhe objetos pessoais.

(Fonte: Ministério da Saúde)

O que diz o plano de contingência do meu estado?2020-03-30T05:00:23-03:00

O Ministério da Saúde reuniu e publicou em seu site os planos de contingência adotados por todas as unidades da federação. Os documentos listam em detalhes as estratégias que devem ser adotadas por cada região no manejo da crise provocada pelo espalhamento do novo coronavírus no Brasil. O ministério também publicou o seu próprio plano de contingência para lidar com a covid-19:

Vale ressaltar que todos os estados brasileiros e o Distrito Federal apresentam registros de casos de contaminação por coronavírus. O maior número de casos se concentram nos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. Para acompanhar os números atualizados, acesse o Painel Coronavírus do Ministério da Saúde.

Para conhecer os detalhes dos planos estaduais de contingência, acesse por Estado: AcreAlagoas; Amapá; Amazonas; Bahia; Ceará; Distrito Federal; Espírito SantoGoiásMaranhãoMato GrossoMato Grosso do SulMinas Gerais; Pará; Paraíba, ParanáPernambucoPiauíRio de Janeiro; Rio Grande do Norte; Rio Grande do Sul; Rondônia; Roraima; Santa Catarina; São Paulo; Sergipe; Tocantins.

(Fontes: Ministério da Saúde, governos e secretarias de Saúde dos estados)

O que devo fazer seu meu voo foi cancelado pela pandemia?2020-03-30T05:47:12-03:00

Muitas companhias aéreas no mundo todo têm reduzido de forma drástica o número de voos, tanto nacionais quanto internacionais, em função da pandemia de coronavírus. Diversas empresas já não voam mais para os aeroportos do Brasil, e o ritmo dos voos domésticos também caiu abruptamente.

A maioria dos voos internacionais estará suspensa em abril, com possibilidade de prorrogação, para evitar a disseminação do coronavírus. Muitas empresas têm flexibilizado suas políticas de remarcação e reembolso de passagens para poderem dar conta da procura e para evitar as perdas financeiras. Mas essas políticas e as rotas operando estão mudando com muita frequência, o que exige dos viajantes acompanhamento constante junto às empresas.

Veja a situação das companhias brasileiras:

Azul

A Azul irá operar apenas 70 voos diários para 25 cidades dentro do Brasil até o dia 30 de abril. A empresa suspendeu todos os voos internacionais, e reduziu em cerca de 92% a oferta nos voos domésticos. Informações adicionais no site da companhia.

Gol

Desde 28 de março, a Gol passou a operar 50 voos diários, concentrados no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, conectando todos os estados brasileiros. A medida deve durar, inicialmente, até o dia 3 de maio. A empresa suspendeu todos os voos internacionais. Mais informações no site da empresa.

LATAM

A LATAM anunciou, no dia 16 de março, uma redução de 90% no total de suas operações internacionais e de 40% nas operações domésticas do grupo no Brasil, Chile, Argentina, Peru, Colômbia e Equador. A empresa diz que todos os passageiros com voos nacionais ou internacionais afetados poderão reprogramar seus bilhetes sem custos adicionais. Mais detalhes no site da LATAM.

Consulte informações sobre outras companhias aéreas que voam para o Brasil no site Todos a Bordo/UOL.

Volte à página principal sobre o coronavírus